Blog

A importância das estruturas da JSD

Faz já no próximo dia 9 de setembro, 1 ano que a concelhia de Belmonte (concelhia da qual sou presidente da Juventude Social Democrata) foi reativada com sucesso. Desde lá que tem sido um ano bastante atribulado tanto para o seu crescimento, como para tentar apresentar algum progresso enquanto estrutura, mas tem também sido um ano de crescimento a nível pessoal (pela experiência que o papel que desempenho me traz) e de militantes interessados em mudar o caminho que a nossa concelhia tem vindo a trilhar, tendo nós conseguido um grande crescimento que pode garantir a continuação da JSD Belmonte em atividade por muito tempo. Para um concelho como é este, o crescimento é uma mudança muito grande e acredito que tivemos um ano de trabalho com muitos sucessos. Agora vamos continuar a trabalhar para defender os principais problemas dos jovens de Belmonte. É importante porque os jovens precisam de alguém que escute de perto os problemas de um concelho onde todos os anos nos deparamos com o perigo de perder o ensino secundário na escola, onde o conselho municipal da juventude não reúne e onde as pressões contra todos os partidos que não são o da câmara são muitas.

Mas não estou aqui para falar do trabalho que desenvolvemos por esta estrutura; estou sim para abrir os olhos do mundo que nos rodeia, para a importância deste trabalho desenvolvido por cada um de nós enquanto militantes, secretários, presidentes e vice-presidentes, vogais e coordenadores, para o crescimento das concelhias.

Em primeiro lugar, há que esclarecer que isto não é trabalho de um só dia ou dois e que não é só uma pessoa sozinha a fazer tudo. É sim trabalho de meses (senão mesmo um ano ou mais, como foi praticamente no caso de Belmonte), muito trabalho de secretária a organizar papéis e a telefonar a pessoas porque falta algum documento, muitos telefonemas para manter tudo no ritmo correto, muito trabalho de “rua” a tentar reunir interessados para se juntarem a esta grande família e é trabalho conjunto de várias pessoas, para fazer com que as coisas decorram nos prazos previstos e para manter o equilíbrio necessário para que se funcione em ordem. E em segundo lugar, tem que haver muita força de vontade e esperança num amanhã melhor (por mais cliché que isso soe) uma vez que se queremos que algo mude, temos que começar nós por tomar a iniciativa para a mudança.
E após ter tudo isto em mente, há que se pensar na pergunta que nos trouxe até aqui:

-“Porquê?”

De facto, porquê? Podíamos apenas deixar aquelas concelhias sozinhas, não tocar no assunto para nem sequer se destapar algum problema escondido debaixo do tapete, simplesmente, não querer saber. Mas não! Não é nisso que esta estrutura acredita, nem a JSD. Nós acreditamos no poder da oposição para alcançar a mudança! Nós acreditamos no poder de uma pequena “pedra” no sapato de quem detém o monopólio do poder em tais concelhos! Nós acreditamos na mudança e só nós a podemos alcançar. Só nós podemos mudar o futuro que muitos acreditam já estar manchado de preto e se só nós o podemos mudar, só com o reativar destes pequenos núcleos é que se pode alcançar o objetivo, porque como o caso de Belmonte e outros provam é depois da ativação das estruturas que a JSD começa a ser conhecida e que muitos se juntam a nós por conhecerem o nosso trabalho ou os jovens militantes que defendem a nossa visão da política.

É importante a JSD ter concelhias fortes uma vez que só assim se alcança um novo amanhã, com muito trabalho de oposição e de sangue jovem com garra, é que atingimos esse amanhã. É um caminho que não se alcança de um dia para o outro, como disse mas é sem dúvida um trajeto comprido e que com o melhorar a cada dia, com a quantidade dos que se vão juntando a nós e com a noção do que queremos fazer no futuro que chegamos aos nossos objetivos. Juntos somos sem dúvida mais fortes, afinal a união faz a força.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *