Blog

Da prevenção…ao combate!

Os incêndios florestais ou as catástrofes “ditas naturais” sucedidas no ano de 2016 na ilha da Madeira, uma das regiões mais afetadas pelos incêndios em Portugal Continental, fez despertar o Governo Regional para a aplicação de medidas mitigadoras aos incêndios florestais. O que mais uma vez comprova o dito pensamento à Portuguesa de que “Nada de mal nos vai acontecer, em Portugal isso não acontece”.  Claro que acontece! Aconteceu em 2016, aconteceu em 2017 devastando a nossa região, todo o Pinhal Interior e continuará a acontecer enquanto não forem tomadas as medidas necessárias (medidas de prevenção, sensibilização e mitigação de riscos).

 Existe uma grande falta de sensibilidade e de preocupação por variadas etapas do ciclo de emergência, nomeadamente na prevenção ou mitigação de riscos, que são conhecidos, na preparação para a atuação caso esses riscos se manifestem, na fase de alerta das populações, pois estas muitas vezes não estão preparadas, nem consciencializadas dos riscos a que estão expostas e por vezes ignoram os avisos e os alertas emitidos pelas entidades competentes.

Muito para além de preparar os agentes de Proteção Civil é necessário preparar os cidadãos e consciencializá-los para os riscos que correm e como proceder perante os mesmos. Temos de transpor a bonita e sonante frase: “Somos TODOS  Proteção Civil” do papel para a realidade. E como fazemos isso? Chegando junto das populações, sensibilizando-as, irmos “nós” Proteção Civil até elas, informando-as das vulnerabilidades dos seus territórios. Este é o primeiro passo a ser dado para que a “dura” e trágica realidade que atinge todos os anos o nosso país possa ser combatida.

Nós não temos riscos apenas em junho, julho, agosto e setembro. Os riscos estão presentes todos os dias e é disso que os cidadãos se esquecem,  que o Governo se esquece.

Muito caminho ainda há por trilhar, muitas lições ainda estão por aprender, temos de agir e não de reagir. Deixemos de ter memória curta! Não é assim que chegaremos a bom porto, de forma alguma.

Primeiro prevenir e preparar, por exemplo começando por passar definitivamente as competências mais “micro” para as autarquias, que são as que melhor conhecem o território e as suas agentes. Seguidamente apostar num planeamento sólido e operacional e não apenas numa “resma” de folhas de papel.

Muito para além de responder é necessário mitigar e essa possibilidade está ao alcance de todos. Todos os dias somos “bombardeados” por informação e somos chamados à responsabilidade, basta fazer uma correta seleção da informação para assumir conscientemente a nossa responsabilidade. Responsabilidade de ser um cidadão ativo e participativo! Só assim, juntos, podemos fazer a diferença e dar um verdadeiro sentido à frase “SOMOS TODOS PROTEÇÃO CIVIL”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *