Blog

Mais anos de política, do que nós de vida

Tu, que estás a ler isto. É para ti o seguinte texto. Dirijo-me a ti esperando que sejas um puto como eu, que só pode votar há duas ou três eleições e que tem menos anos de vida do que muitos têm de política.

Eu sei que já muitas vezes te encheram a cabeça de que o futuro era teu e tinhas que o agarrar. É muito importante que nunca te esqueças disso, claro está. Podes até pensar que o fazes, que lutas por um futuro para ti e para os teus, e te preocupas com as gerações vindouras. Mas #AquiEntreNós, fazes mesmo tudo o que está ao teu alcance? Espero que sim. Mas chega de retórica fácil, senão estou a ser como aquela malta que tem mais anos de política que nós de vida.

Só te quero expor aqui um paradoxo muito interessante. A comunicação social enche-nos a cabeça com taxas de abstenção desde que existem eleições. É um problema grave, e disso todos nós nos apercebemos. Mas é muito mais calamitoso do que parece à primeira vista. O panorama que nos colocam é que a abstenção tem como causa o desinteresse dos jovens pela política. No shit, Sherlock. Esta lógica de La Palice têm é duas interpretações muito diferentes: uma para nós e outra para aqueles que têm mais anos de política que nós de vida.

A interpretação para nós é a de que, se tu que estás a ler e és um puto como eu que vota quando há eleições, é necessário sensibilizar o resto da malta da nossa idade para começar a votar. Chegar aos órgãos de decisão, ou intervir na nossa comunidade através das juventudes partidárias ou associações juvenis e a partir daí mudar mentalidades na nossa sociedade civil para que se eduquem as futuras gerações para serem também futuros eleitores, ao invés de abstencionistas.

A outra interpretação é muito mais perigosa. Em Portugal, como aliás em grande parte das democracias mundiais, infelizmente, faz-se política para ganhar o próximo ciclo de eleições. Infelizmente. Para ganhar eleições, é necessário agradar ao eleitorado. Até agora tudo ok, certo? Como se espera que os nossos governantes queiram agradar aos jovens se… eles não votam? Exatamente. É isso que te está agora a passar pela cabeça. A abstenção jovem tem como consequência direta uma queda das políticas de juventude. Os nossos legisladores e decisores políticos não estão preocupados connosco. Por cada vez que ficamos em casa, agarrados à televisão ou à cama, é um voto a menos com que eles se têm que preocupar. Meu caro amigo, bem-vindo ao mundo da política. Não fiques em casa a ver o Mundo passar à tua frente e a queixar-te das políticas durante os próximos 70 anos da tua vida. Muda. Age. Reage, caramba. O Mundo é teu, só tens que te levantar.

Toda a gente sabe que esta malta que tem mais anos de política que nós de vida é tramada. Vamos é dar-lhes trabalho e não lhes facilitar a vida. Se fizermos todos um bocadinho, daqui a 30 anos, vamos ser nós a ter mais anos de política que muitos de vida. Esperemos que aí não seja preciso uma data de putos incómodos. Não estou a ser sincero. Espero que haja ainda em maior quantidade. Ao fim ao cabo, não é isso que se espera de nós?

Cristiano Luís Gaspar 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *